Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental

São Paulo, 25 de abril de 2017

A Associação Universitária > Diretoria > Relatório da Diretoria 2008-2010

Introdução

 

Nestes dois últimos anos, iniciados no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental, realizado na Universidade Federal Fluminense – UFF, a diretoria da Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental (AUPPF) prosseguiu um intenso e sistemático trabalho visando a consolidação de nossa sociedade científica internacional.

No período de 2008 a 2010, ela cresceu e se expandiu contando, hoje, com 58 membros de 24 universidades brasileiras e de universidades da Argentina, da Colômbia, do México, da França e da Inglaterra. Dois membros se retiraram neste período: O Prof. Dr. Theodor S. Lowenkron e o Prof. Dr. Aluísio Pereira de Menezes. Sete novos membros ingressaram desde 2008 e elegemos o Prof. Dr. German E. Berrios, como membro honorário. Tendo em vista que a filiação à Associação é estritamente voluntária, consideramos que o quadro de sócios é, sem dúvida, a maior conquista da Psicopatologia Fundamental.

Houveram, também, algumas mudanças na diretoria: a Profa. Dra. Isabel da Silva Kahn Marin há anos manifesta o desejo de deixar o cargo de segundo tesoureiro e Aluísio era o primeiro tesoureiro. Assim, teremos que eleger membros para esses dois cargos.

Em 2010, a AUPPF comemora 15 anos de existência.

Criada em 27 de abril de 1996, imediatamente após o término do II Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental, realizado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, recebeu inicialmente o nome de Rede Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental.

A Rede foi composta, inicialmente, pelos seguintes membros que até hoje participam ativamente dessa iniciativa: Manoel Tosta Berlinck, Henrique Figueiredo Carneiro, Roland Gori, Maria Cristina Machado Kupfer, Ana Cleide Guedes Moreira, Mário Eduardo Costa Pereira, Edilene Freire de Queiroz e Edson Luiz André de Sousa.

Queremos, nesta oportunidade, homenagear, além dos fundadores, todos os pesquisadores, professores doutores, que, desde então, compreenderam a proposta inicial, as transformações que foram ocorrendo e investiram intensamente nesta iniciativa que se transformou numa Sociedade Científica Internacional de crescente importância.

A proposta da Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental é bastante complexa e precisa. Ela é uma sociedade científica. Isto quer dizer que seus membros nela se inscrevem porque estão interessados em produzir pesquisas e colaborar para o desenvolvimento desse conhecimento e sua divulgação.

Além disso, levam a sério o significado da palavra psicopatologia: discurso (logos) sobre o pathos psíquico. A expressão Psicopatologia Fundamental designa, finalmente, uma psicopatologia que leva em consideração a subjetividade.

Repito incansavelmente essas idéias básicas para firmar uma posição espistemológica de natureza científica.

Com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) do Ministério de Ciência e Tecnologia do Brasil, da Fundação Campanha de Aperfeiçoamento do Pessoal do Ensino Superior (CAPES) do Ministério de Educação e Cultura do Brasil e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) que, em diversas oportunidades, financiaram iniciativas da Rede e da Associação, houve um paulatino e permanente crescimento, com novas iniciativas e a adesão de novos membros.

Em 1998, foi criada a Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental que é, atualmente, uma das principais revistas científicas brasileiras, com uma abrangência internacional.

Em 2002, a Rede se transformou na Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental.

Em seguida, foi criado um portal de conteúdo de livre acesso que apresenta a produção científica de seus membros. O portal é, atualmente, visitado por cerca de 27.000 consulentes por mês, localizados no mundo inteiro. Além disso, foi criado o Latin-American Journal of Fundamental Psychopathology on Line, periódico científico eletrônico, editado com muita competência por Henrique Figueiredo Carneiro, Junia de Vilhena e Ana Cecília Magtaz.

Em maio de 2009, a Profa. Dra. Ana Cecília Magtaz assumiu a Diretoria Administrativa de nossa sociedade científica. Esta iniciativa permitiu o aperfeiçoamento do portal, com alterações de forma e eficientes atualizações. Permitiu, também, a mais eficiente organização de nossos eventos. Finalmente, a comunicação da AUPPF com a comunidade científica tornou-se mais competente e eficaz.

Em setembro de 2009, foi realizado em São Paulo, na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), o Colóquio Internacional sobre o Método Clínico, que sucedeu os Encontros Científicos realizados anteriormente.

O Colóquio, impecavelmente organizado por Ana Cecília, contou com a brilhante participação de 100 inscritos e com a inestimável cooperação do Prof. Dr. German E. Berrios, da Cambridge University, United Kingdom, do Prof. Dr. Plínio W. Prado, da Université de Paris 8 – St. Denis e do Prof. Jorge Holguin da Universidad de Antioquia, Colombia.

No final de 2009, a Livraria Pulsional e a Editora Escuta foram vendidas e a publicação de Pulsional Revista de Psicanálise foi concluída. A série de livros denominada Biblioteca de Psicopatologia Fundamental, com 35 títulos publicados, foi encerrada. Essa grave perda de apoio exigiu um intenso esforço de reorganização da AUPPF, de suas revistas, do portal, e dos eventos. Este processo ainda está sendo realizado.

No início de 2010, foi criada a Newsletter, publicação eletrônica mensal, para divulgar as iniciativas e realizações dos membros de nossa sociedade científica assim como anunciar eventos internacionais relevantes para a psicopatologia fundamental. Para que a Newsletter desempenhe sua função, é necessário, entretanto, que os membros da AUPPF enviem sistematicamente informações sobre suas iniciativas e realizações científicas.

Os esforços realizados no sentido da internacionalização de nossa sociedade vem surtindo evidentes efeitos. No início de 2010, foi inaugurado o Laboratório de Psicopatologia Fundamental do Programa de Mestrado da Facultad de Psicologia de la Universidad Autónoma de San Luís Potosí, no México, sob a direção da Profa. Dra. Maria Antonia Reyes Arellano Dautrey. Os Profs. Drs. Manoel Tosta Berlinck e Ana Cecília Magtaz foram convidados e participaram dessa importante e pioneira iniciativa. A conseqüência mais imediata desse programa de cooperação foi a vinda de Xochiquetzaly Yeruti de Avila Ramirez para realizar doutorado no Laboratório de Psicopatologia Fundamental do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e de Karen Happeth Cuevas Castelan, com bolsa de curta duração do Consejo Nacional de Ciência y Tecnologia (CONACYT) de México para o mesmo Laboratório.

A cooperação internacional com universidades do México é bastante promissora. Estão inscritos no Congresso 21 professores e estudantes daquele país. Estarão presentes, também, representantes da Facultad de Psicologia de Montevideo, Uruguay, da Universis Camilo Cienfuegos de Cuba, da Faculdade de Psicologia do Porto, Portugal e da Université Paris VIII – Saint Denis. Realizaremos, durante o evento que ora tem início, uma reunião com representantes de programas de pós-graduação de mestrado e de doutorado do Brasil para conversarmos sobre possíveis iniciativas de cooperação internacional.

Nossa sociedade científica realiza, assim, um permanente trabalho visando iniciativas de cooperação internacional. É necessário, entretanto, que ela também seja incluída em iniciativas realizadas por seus membros.

No início de 2010, Rosana Gruber foi contratada para ser a Secretaria da AUPPF.

A partir de agora (setembro de 2010), a AUPPF passará a ter mala eletrônica com 52.000 endereços, com médicos, psicólogos, psicanalistas e filósofos de todo o Brasil e do exterior.

Porém, durante o período de existência da AUPPF, a mais destacada iniciativa tem sido, sem dúvida alguma, o Congresso que vem sendo realizado periodicamente desde 1996.

Em 2010, estamos realizando o IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e X Congresso Brasileiro de Psicopatologia na Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, sob a presidência da Profa. Dra. Maria Virginia Filomena Cremasco e a presidência de honra da Profa. Dra. Ana Cleide Guedes Moreira, contando com o apoio financeiro dessa Universidade, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) do Ministério de Ciência e Tecnologia do Brasil e da Fundação Campanha de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior (CAPES) do Ministério da Educação e Cultura do Brasil.

Várias novidades foram introduzidas visando aprimorar o nosso tradicional encontro.

Convidamos todos os Programas de Pós-Graduação em Psicologia do Brasil, que levam em conta a subjetividade, a colaborarem com o Congresso. Doze Programas responderam afirmativamente ao nosso convite. São eles: Departamento de Psicanálise da Criança do Instituto Sedes Sapientiae de São Paulo; Departamento de Psicologia da Universidade Católica do Paraná (PUC-PR); Departamento de Psicologia da Universidade Positivo (UP-PR), Departamento de Psicologia da Universidade Tuiutí do Paraná (UTP); Laboratório de Psicopatologia Fundamental do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP); Programa de Pós-Graduação em Psicanálise do Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Pará (UFPA); Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura (PsiCC) da Universidade de Brasília (UnB); Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica da Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP); Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade de Fortaleza (UNIFOR) e Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

O Congresso passa, assim, a ser ampla iniciativa universitária e deixa de ser, apenas, uma iniciativa exclusiva da AUPPF.

Graças a um intenso e prolongado trabalho de divulgação tanto na Newsletter, enviada mensalmente para cerca de 25.000 endereços eletrônicos, quanto por meio de convites individuais para inúmeras instituições públicas de saúde mental, departamentos universitários, associações, sociedades psicanalíticas e grupos de psiquiatria, o congresso obteve, novamente, ampla resposta positiva da comunidade científica, evidenciada pelos 421 trabalhos inscritos e 670 participantes.

Outra importante modificação foi a realização do Encontro preparatório do Congresso, organizado pelo Prof. Dr. Vinicius Darriba, ocorrido na Universidade Federal do Paraná, no dia 28 de maio. Esse Encontro reuniu professores de todas as universidades do Paraná, que apresentaram e comentaram trabalhos sobre o tema do Congresso. Tratou-se de um evento de alto nível científico e revelou o empenho da comunidade acadêmica em realizar um congresso de excelente qualidade.

Aliás, queremos, nesta oportunidade, agradecer o generoso e competente empenho do Prof. Dr. Vinicius Darriba para que o Congresso fosse bem sucedido. Sem seu trabalho, teríamos enfrentado enormes dificuldades.

O programa do evento também foi modificado. Reduziu-se para 4 o número de conferências, sendo 2 internacionais e 2 nacionais. Infelizmente, o Prof. Dr. German E. Berrios foi obrigado a cancelar a vinda. Teremos, assim, 3 conferências.

O número de simpósios também foi reduzido. Fomos mais rigorosos na seleção dos trabalhos: a Comissão Científica recusou cerca de 10% dos trabalhos submetidos. Cuidamos para que todos os autores se inscrevessem no Congresso, para evitar que a co-autoria, com a presença de um único autor, beneficiasse indevidamente a participação de ausentes.

A produção selecionada e efetivamente apresentada durante o Congresso será, em seguida, transformada em Anais, inserida no portal da AUPPF e colocada à disposição de consulentes, tornando pública essa produção e permitindo que seja avaliada por leitores e instituições.

A presença de cientistas do Brasil, do México, de Cuba, de Portugal e da Françaconfirma, mais uma vez, a vocação claramente internacional deste Congresso e de nossa sociedade científica. Nesse sentido, quero destacar a delegação de 21 participantes do México.

Pode-se repetir, então, o que foi dito por ocasião do evento anterior. O Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental é, hoje, um marcante evento do campo psi reunindo universitários e extra-universitários que apresentam resultados de pesquisas e reflexões à respeito de suas vivências.

A impressionante produção psicopatológica revela a pujante força de um complexo e contraditório pensamento clínico-teórico levando em consideração a subjetividade.

Num mundo onde a ciência hegemônica é baseada no método experimental e no avanço tecnológico, os que aqui se reúnem dão um eloqüente testemunho da importância do método clínico, da subjetividade e do pensamento que se deriva dessa posição também científica.

A psicopatologia, encontrando-se num estado terminal há alguns anos, afirma-se no cenário científico, de forma cada vez mais viva, graças às iniciativas da AUPPF.

Mas, as realizações desta diretoria não terminam aí.

 

Colóquio Internacional sobre o método clínico.

 

Como já disse, de 4 a 7 de setembro de 2009 realizamos o Colóquio Internacional sobre o método clínico, na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), em São Paulo. Contamos, naquela ocasião, com quatro conferências magistrais pronunciadas pelo Prof. Dr. Plínio Prado, da Université de Paris 8 – St. Denis, do Prof. Dr. German E. Berrios, da Cambridge University, Inglaterra, do Prof. Jorge Holguin, da Universidad de Antioquia, Colômbia e do Prof. Dr. Manoel Tosta Berlinck. Foram realizadas 19 Mesas Redondas com 57 trabalhos apresentados e a participação de 100 inscritos.

O Colóquio é uma iniciativa que sucede os Encontros Científicos realizados a cada dois anos, até 2007. Os Encontros Científicos reuniam somente os membros da AUPPF. Com o seu crescimento e crescente importância científica, houve a necessidade de ampliar essa atividade.

Um dos resultados do Colóquio Internacional sobre o Método Clínico foi a elaboração de um projeto temático sobre tal método, que obteve o financiamento do CNPq. Este é o primeiro projeto de pesquisa de iniciativa da AUPPF e todos estão convidados a submeterem projetos específicos articulados a este projeto.

É, aliás, muito importante que membros da AUPPF tenham projetos de pesquisa em Psicopatologia Fundamental, pois só assim nossa sociedade desempenhará sua missão.

 

Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental

 

Nossa revista impressa sofreu, nestes dois anos, impressionantes alterações.

Em 2008, ela estava indexada em sete bases de dados. Hoje ela está indexada em 18 bases de dados.

Em dezembro de 2008 foi publicado o primeiro suplemento: “A saúde dos escravos: ensaios de história da medicina”, sob a coordenação editorial da Profa. Dra. Ana Maria Galdini Raimundo Oda, Editora Associada na seção “História da Psiquiatria”.

Em setembro de 2008 foi anunciado um novo formato da seção sobre “Resenha de artigos” pelo novo editor associado Prof. Dr. Guilherme Gutman, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Em junho de 2010 foi criada uma nova seção, “Leia também”, anunciando revistas brasileiras e estrangeiras da área.

Em março de 2010, a capa sofre alteração e a arte da capa e do miolo passam a ser cuidadas pela artista plástica Teresa Berlinck.

O índice de impacto dos artigos publicados na RLPF aumentou.

O número de artigos em co-autoria aumentou consideravelmente, indicando uma crescente organicidade na Psicopatologia Fundamental.

O trabalho de editoração da revista é muito complexo e delicado. O editor responsável e os editores associados enfrentam numerosas questões de difícil resolução. Assim, consideramos muito importante que se constitua uma associação de editores de revistas de nossa área, para conversarmos e formularmos uma política de gestão.

 

Finanças

 

A situação financeira da Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental encontra-se em ordem e em dia, como é possível observar nos relatórios contábeis enviados a todos os membros. Além disso, é objetivo da Diretoria da AUPPF manter uma rigorosa transparência com relação à situação financeira, informando sempre todos os membros sobre sua contabilidade.

 

Propostas

 

Propomos, então, que a Profa. Dra. Silvana Rabello seja eleita primeiro tesoureiro e que esta Assembléia escolha um nome para o cargo de segundo tesoureiro.

Propomos, também, que o V Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e XI Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental seja realizado na Universidade de Fortaleza - UNIFOR, Fortaleza, Ceará sob a presidência do Prof. Dr. Henrique Figueiredo Carneiro e a presidência de honra dos Profs. Drs. Gisálio Cerqueira Filho e Paulo Roberto Mattos da Silva.

Propomos, além disso, que o tema desse Congresso seja “A dietética do corpo, da alma e da sociedade”. Em um mundo onde a produção predatória do meio ambiente e o consumo desenfreado de bens e seres é uma evidente tônica, cabe um grande e marcante encontro científico internacional onde a ética da dieta seja seriamente considerada, com uma ampla e profunda visão que ultrapasse os limites dos transtornos alimentares.

Propomos, em quarto lugar, que o Prêmio Pierre Fédida passe a ser concedido pela AUPPF, a cada 4 anos, iniciando em 2012, a um cientista que tenha se destacado no desenvolvimento da Psicopatologia Fundamental. A escolha do premiado será feita por voto de todos os membros de nossa sociedade. O valor do prêmio será determinado juntamente com as regras que regerão a escolha.

Propomos, finalmente, que seja criada uma Comissão de Assuntos Internacionais, de três membros, que trabalhe efetivamente em iniciativas e projetos.